Contido principal do artigo

Sara Raquel Duarte Reis da Silva
Universidade do Minho
Portugal
http://orcid.org/0000-0003-0041-728X
Biografía
No 58 (2021): 1º semestre, Notas, páxinas 23-27
DOI https://doi.org/10.15304/bgl.58.7623
Recibido: 06-04-2021 Aceptado: 30-05-2021 Publicado: 29-06-2021
Copyright Como citar

Resumo

No presente artigo, procura-se, além de divulgar um dos nomes que, conquanto se afigure um dos mais relevantes da História literária portuguesa do século XX, aparentemente, é dos menos lidos na contemporaneidade, Maria Judite de Carvalho (1921-1998), centrar a atenção na sua obra inaugural Tanta Gente, Mariana (1959). Destacam-se as suas mais relevantes singularidades estético-literárias e ideotemáticas, acentuando a sua configuração pessoalíssima, em especial no que diz respeito à espessura verosímil da(s) figura(s) feminina(s), um conjunto de linhas que anunciam já os traços definidores da totalidade da sua escrita.

Citado por

Detalles do artigo

Citas

BÁRBARA, Elisabete (2004). «Do dizer e do voltar a dizer em Maria Judite de Carvalho: uma nova perspectiva» in Forma Breve, 2, pp. 221-226 – disponível em http://revistas.ua.pt/index.php/formabreve/article/view/192 (consultado no dia 01/04/2021).

CARVALHO, M. J. (2011). Tanta Gente, Mariana. Alfragide: Bis/Leya.

COELHO, A. L., «Moro numa nuvem» in Público (19/01/1999) - disponível em http://www.publico.pt/culturaipsilon/jornal/moro-numa-nuvem-127985 (consultado no dia 02/05/2016).

COELHO, J. do P. (1980). «Maria Judite de Carvalho: As Palavras Poupadas» in Ao Contrário de Penélope. Lisboa: IN/CM, p. 278.

MORÃO, P. (2011). «Maria Judite de Carvalho, herdeira de Irene Lisboa?» in O secreto e o real. Ensaios sobre Literatura Portuguesa. Lisboa: Campo da Comunicação, pp. 441-451.

SARAIVA, A. J. e LOPES, Ó. (1987). História da Literatura Portuguesa. Porto: Porto Editora (14ª ed.).

SIMÕES, J. G. (1981). «II. Paisagem sem barcos» in Crítica IV. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, p. 286.