Contido principal do artigo

Sara Raquel Duarte Reis da Silva
Universidade do Minho
Portugal
http://orcid.org/0000-0003-0041-728X
Biografía
No 6 (2019), Artigos
DOI https://doi.org/10.15304/elos.6.6042
Recibido: 20-05-2019 Aceptado: 11-12-2019 Publicado: 20-12-2019
Copyright Como citar

Resumo

Pretende-se, com este estudo, analisar algumas das manifestações intertextuais de raiz carrolliana na produção literária de dois importantes autores da literatura portuguesa para a infância e a juventude: Virgínia de Castro (1878-1945) e Almeida e Manuel António Pina (1943-2012). Situados em épocas e estéticas distantes, os textos de ambos reflectem a “sombra tutelar” de Aventuras de Alice no País das Maravilhas (1985) ou, genericamente, do mundo literário de Lewis Carroll (1832-1898). De obras como Aventuras de Dona Redonda e da Sua Gente (1942), de Virgínia de Castro e Almeida, ou Gigões & Anantes (1974), de Manuel António Pina, ressumam traços singulares como o nonsense, o absurdo, o tópico do mundo às avessas e o humor, bem como o uso original do paradoxo, da metáfora e do jogo de sentidos, entre outros, características sobre as quais centraremos a nossa atenção e que atestam a pervivência do legado carrolliano na literatura portuguesa.

Detalles do artigo

Citas

Almeida, V. de C. e (1989). História de Dona Redonda e da sua Gente. Lisboa: Clássica Editora (6ª ed.; 1ª ed. - 1942).

Almeida, V. de C. e (1990). Aventuras de Dona Redonda. Lisboa: Clássica Editora (5ª ed.; 1ª ed. - 1943).

Araújo, M. A. T. (2008). A Emancipação da Literatura Infantil. Porto: Campo das Letras.

Bache-Wiig, H. (2006). “Philosophical Homework or Universal Amazement? Jostein Gaarder’s Sophie’s World”. En Beckett, Sandra L. and Nikolajeva, Maria (Ed.). Beyond Babar. The European Tradition in Children’s Literature (pp. 255-276). Lanham/ Toronto/Oxford: The Scarecrow Press.

Bakhtine, M. (1984). Esthétique de la création verbale. Paris: Gallimard.

Barthes, R. (1984). Le bruissement de la langue. Paris: Seuil.

Carpenter, H. and Prichard, M. (2005). The Oxford Companion to Children’s Literature. Oxford: Oxford University Press (1ª ed. 1984).

Carroll, L. (2000). As Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Alice do Outro Lado do Espelho. Relógio d’ Água (ilustrações de John Tenniel).

Chevalier, J. e Gheerbrant, A. (1994). Dicionário de Símbolos. Lisboa: Teorema.

Diogo, A. A. L. (1994). Literatura Infantil. História. Teoria, Interpretações. Porto: Porto Editora.

Equipo Glifo (1998). Diccionario de Termos Literarios – Vol. e-h. Santiago de Compostela: Xunta de Galicia/Centro Rámon Piñeiro para a Investigación en Humanidades.

Ermida, I. (2003). Humor, Linguagem e Narrativa. Para uma Análise do Discurso Literário Cómico. Braga: CEH/Universidade do Minho.

Ermida, Isabel (2005). “Nas entrelinhas do riso: pressuposições semânticas e pragmáticas no discurso cómico”. En Marques, Mª Aldina, Koller, Erwin, et ali (Ed.). Ciências da Linguagem: 30 anos de investigação e ensino (pp. 67-83). Braga: ILCH/Centro de Estudos Humanísticos/Universidade do Minho.

Gomes, J. A. (1997). Para uma História da Literatura Portuguesa para a Infância e a Juventude. Lisboa: Ministério da Cultura/Instituto Português do Livro e das Bibliotecas.

Gomes, J. A. (1999). “Carroll’s Adventures in Portugal”. Fragmentos, 16, jan - jun/ 1999, Florianópolis, 127-133.

Kristeva, J. (1974). La revolution du langage poétique. Paris: Seuil.

Lemos, E. de (1972). A Literatura Infantil em Portugal. Lisboa: Ministério da Educação Nacional.

Lerer, S. (2009). La Magia de Los Libros Infantiles. Barcelona: Ares Y Mares.

Listopad, J. (1975). “Recensão crítica a Gigões & Anantes e outras histórias”. Colóquio/Letras, 27, Setembro de 1975, 80.

Machado, A. M. (2002). Como e Por Que Ler os Clássicos Universais desde Cedo. Rio de Janeiro: Objetiva.

Obiols Suari, N. (2004). Mirando Cuentos. Lo visible e invisible en las ilustraciones de la literatura infantil. Barcelona: Laertes.

Pina, M. A. (1973). O País das Pessoas de Pernas para o Ar. Porto: A Regra do Jogo (ilustrações de João Botelho).

Pina, M. A. (1974). Gigões & Anantes. Porto: A Regra do Jogo (ilustrações de João Botelho).

Pina, M. A. (1977). “Quem escreve tem necessariamente de o fazer para alguém?” (entrevista conduzida por José Viale Moutinho). Diário de Notícias (2º Caderno), 06 de Janeiro de 1977, Suplemento Cultural, 1.

Pina, M. A. (1992). “Amor Louco” prefácio a Carroll, Lewis. O Vespão de Peruca (pp. 5-12). Lisboa: &Etc.

Pina, M. A. (1994). O Anacronista. Porto: Afrontamento.

Pina, M. A. (2000). “Escrevo. Acho eu, para mim, isto é, para outros” (entrevista por José António Gomes). Malasartes [Cadernos de Literatura para a infância e a Juventude], 2 (Abril de 2000), 3-5.

Pina, M. A. (2002). Perguntem aos Vossos Gatos e as Vossos Cães…. Lisboa: Assírio & Alvim (ilustrações de Pedro Proença).

Pina, M. A. (2005). “Entrevista a Manuel António Pina”. Critério (Revista de Expressão e Cultura dos Estudantes de Direito da UCP), 1 – Outubro de 2005, 4-6.

Pina, M. A. (2006a). “Manuel António Pina – O Refúgio da Poesia” (entrevista por Carlos Vaz Marques). Ler, 68, Junho de 2006, 50-69.

Pina, M. A. (2006b). “Winnie-the-Pooh, breve notícia” (ensaio). Águas Furtadas, 10 (Literatura, Música e Artes Visuais) – Outubro de 2006. Porto: NJAP/JU – Núcleo de Jornalismo Académico do Porto/Jornal Universitário, 98-122 (texto correspondente à intervenção lida na Culturgest, em 10/02/03 (Lisboa) e em 15/02/03 (Porto), integrada no ciclo de conferências “Clássicos do Século XX”).

Pina, M. A. (2009). “F de Falso”. Notícias Magazine, 31 de Maio de 2009, 96.

Pina, M. A. (2010). Por Outras Palavras & mais crónicas de jornal. Porto: Modo de Ler.

Pires, M. L. B. (1983). História da Literatura Infantil Portuguesa. Lisboa: Vega.

Riffaterre, M. (1979). La production du texte. Paris: Seuil.

Shavit, Z. (2003). Poética da Literatura para Crianças. Lisboa: Caminho.

Rocha, N. (1984/2001). Breve História da Literatura para Crianças em Portugal. Lisboa: ICALP/Editorial Caminho.

Silva, V. A. e (1990). Teoria da Literatura. Coimbra: Almedina (8ª ed.).

Silva, S. R. (2010). “Between open adventure in foreign lands and confined living in Portugal: Portuguese children´s literature and the work of Virgínia de Castro e Almeida”. AILIJ (Anuario de Investigación en Literatura Infantil y Juvenil), 8 (1), 123-137.

Silva, S. R. (2013). Presença e Significado de Manuel António Pina na Literatura Portuguesa para a Infância e a Juventude. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Stierle, K. (2008). “Obra e intertextualidade”. Existe uma Linguagem Poética? Seguido de Obra e Intertextualidade (pp. 39-65). Vila Nova de Famalicão: Edições Quasi.

Vasconcelos, H. (2009). A Infância é Um Território Desconhecido. Lisboa: Quetzal.

Webb, J. (2002). “Alice as subject in the logic of Wonderland”. En Thacker, Deborah Cogan & Webb, Jean (Eds.) Introducing Children’s Literature. From Romanticism to Postmodernism (pp. 63-69). London/New York.

Zervou, A. (2000). “Le comique e(s)t le parodique dans la littérature d’enfance”. En Perrot, Jean (2000) (Ed.). L’humour dans la littérature de jeunesse (pp. 29-44). Col. «Lectures d’enfance», Paris: IN PRESS.