Contido principal do artigo

Ana Margarida Ramos
Universidade de Aveiro
Portugal
http://orcid.org/0000-0001-5126-4389
Biografía
No 6 (2019), Artigos
DOI https://doi.org/10.15304/elos.6.5723
Recibido: 02-01-2019 Aceptado: 12-11-2019 Publicado: 20-12-2019
Copyright Como citar

Resumo

Este estudo analisa as implicações da ilustração e da edição no processo de leitura de obras conotadas com o universo da literatura para a infância e juventude, identificando, a partir da obra mais emblemática de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas(1865), alguns volumes e recriações mais marcantes e procedendo à sua análise. O impacto dos elementos visuais e materiais, como a ilustração e o design gráfico, onde se incluem aspetos como o formato, a paginação ou as dimensões do volume, entre outros, surge associado à tradição imagética da obra, fortemente dominada pela adaptação para cinema de animação realizada por Walt Disney, em 1951, que rapidamente se sobrepôs à iconografia da edição original, da autoria de John Tenniel, colocando inúmeros desafios aos criadores contemporâneos, sobre os quais importa refletir.

Detalles do artigo

Citas

Referências bibliográficas:

Obras analisadas:

Carroll, Lewis (1998). Alice no País das Maravilhas. Porto: Civilização, trad. Alexandrina Bento (ilustração de Teresa Lima).

Carroll, Lewis (2003). Alice no País das Maravilhas. Porto: Ambar, trad. Isabel Ramalhete (ilustração de Lisbeth Zwerger).

Carroll, Lewis (2010). Alice au Pays des Merveilles. Paris: Gautier-Languereau (ilustrações de Rébecca Dautremer).

Carroll, Lewis & Sabuda, Robert (2003). Alice no País das Maravilhas. Uma adaptação em Pop-up. Gaia: Gailivro.

Carroll, Lewis & Seibold, J. Otto (2003). Alice in (pop-up) Wondeland. London/New York: Orchard/Scholastic.


Obras citadas:

Arizpe, Evelyn & Styles, Morag (2003). Children Reading Pictures: Interpreting Visual Texts. London and New York: Routledge Falmer.

Bellorín, Brenda (ed.) (2005). El Libro Álbum – invención y evolución de un género para niños. 2ª edição (1ª de 1999). Caracas: Banco del Libro.

Camargo, Luís (1998). Poesia infantil e Ilustração: estudo sobre “Ou isto ou aquilo” de Cecília Meireles. (Tese de Mestrado em Teoria e História Literária) Campinas: UNICAMP.

Duran, Teresa (2002). Leer antes de leer. Madrid: Anaya.

Duran, Teresa (2009). Álbumes y otras lecturas. Barcelona: Octaedro.

Lewis, David (2001). Reading Contemporary Picturebooks – Picturing Text. New York: Routledge-Falmer.

Linden, Sophie van der (2006). Lire l’album. Le Puy-en-Velay: Atelier du poisson soluble.

Linden, Sophie van der (2013). Album[s]. s/l: Éditions De Facto/Actes Sud.

McKay, Hillary (2015). “150 years of Alice in Wonderland - in pictures”. En The Guardian, 4 jul. 2015. Disponível em http://www.theguardian.com/childrens-books-site/gallery/2015/jul/04/alice-in-wonderland-150-years-alice-day-cs-lewis-john-tenniel-hilary-mckay. Consult. a 2 jan 2019

Nikolajeva, Maria e Scott, Carole (2001). How Picturebooks Work. New York: Garland Publishing.

Nodelman, Perry (1990). Words About Pictures: The Narrative Art of Children's Picture Books. Athens: University of Georgia Press.

Obiols Suari, Nuria (2004). Mirando Cuentos: lo visible e invisible en las ilustraciones de la literatura infantil. Barcelona: Laertes.

Pinheiro, Marta Passos & Gomes, Sabrina Ramos (2018). “Os ‘Novos’ Contos de Fadas: Tradição e Inovação em A Bela a a Adormecida, de Gaiman e Riddell”, Ilha do Desterro A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, 71(2), pp. 35-56.

Popova, Maria (2014). “The Best Illustrations from 150 Years of Alice in Wonderland”, En Brain Pickings. Disponível em http://www.brainpickings.org/2014/07/07/best-illustrations-alice-in-wonderland/ Consult. a 2 jan 2019

Ramos, Ana Margarida (2011). “Apontamentos para uma poética do álbum contemporâneo”. En ROIG RECHOU, Blanca-Ana, SOTO LÓPEZ, Isabel e NEIRA RODRÍGUEZ, Marta (eds.) O Álbum na Literatura Infantil e Xuvenil (2000-2010) (pp. 13-40). Vigo: Edicións Xerais de Galicia.

Ramos, Ana Margarida (2010). Literatura para a infância e ilustração: leituras em diálogo. Porto: Tropelias & Companhia.

Ramos, Ana Margarida (2012). Tendências contemporâneas da literatura portuguesa para a infância e juventude. Porto: Tropelias & Companhia.

Ramos, Ana Margarida (2014). “Ilustrar poesia para a infância: entre as rimas cromáticas e as metáforas visuais”. Ocnos – Revista de Estudios de Lectura, 11, pp. 113-130.

Ribeiro, Marcelo (2008). “A relação entre texto e imagem”. En OLIVEIRA, Ieda de (ed.) O que é a qualidade em ilustração no livro infantil e juvenil. Com a palavra o ilustrador (pp. 123-139). São Paulo: Editora DCL.

Salisbury, Martin (2005). Ilustración de libros infantiles. Barcelona: Editorial Acanto.

Salisbury, Martin & Styles, Morag (2012). Children’s Pictureboobooks. The art of visual storytelling. London: Lawrence King.

Shulevitz, Uri (1997). Writing with Pictures: How to Write and Illustrate Children's Books, New York: Watson-Guptill.

Silva-Díaz Ortega, Cecilia (2005). Libros que enseñan a leer: álbumes metaficcionales y conocimiento literario. Tesis doctoral. Barcelona: Universidad Autónoma de Barcelona.

Sipe, Lawrence & Pantaleo, Sylvia (2008). Postmodern Picturebooks: Play, Parody, and Self-Referentiality. New York: Routledge Research in Education.