Contido principal do artigo

Maria José Carvalho
Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra CELGA-ILTEC
Portugal
http://orcid.org/0000-0002-7383-9910
Biografía
Vol 11 (2019), Pescuda, páxinas 233-264
DOI https://doi.org/10.15304/elg.11.5392
Recibido: 31-07-2018 Aceptado: 04-03-2019 Publicado: 31-07-2019
Copyright Como citar

Resumo

Neste artigo, estudaremos as cronologias das mudanças de alguns fenómenos relacionados com a morfologia verbal (galego)-portuguesa, nomeadamente: (i) Particípios passados de verbos da 2ª conjugação, (ii) O -d- intervocálico no morfema número-pessoal de P5; (iii) Verbos incoativos em  -ecer; (iv) Manutenção de -e em formas de Presente do indicativo (com fonema pré-palatal no radical); (v) Mudanças de radical e regularização analógica na flexão de alguns verbos; (vi) Particípios fortes e truncados. O corpus usado consiste numa coleção documental constituída por 153 documentos notariais lavrados entre os séculos XIII e XVI, no mosteiro de Santa Maria de Alcobaça e seus coutos. Não obstante reconhecermos que as cronologias não coincidem simultaneamente para todos os fenómenos, mostrar-se-á que é possível estabelecer diferentes etapas evolutivas, com balizas cronológicas diferenciadas e delimitadas. Esta constatação aponta para a necessidade de se considerar a dimensão diacrónica quando se pretende comparar as línguas ibero-românicas atuais.

Detalles do artigo

Citas

Ali, Said. 19666. Dificuldades da língua portuguêsa. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica.

Almeida, Norma Lúcia F. de & Zenaide de Oliveira N. Carneiro. 1996. Verbos de padrão especial: um breve estudo descritivo e comparativo. Em Rosa Virgínia Mattos e Silva (Org.). A carta de Caminha. Testemunho lingüístico de 1500. 213-236. Salvador: Universidade Estadual de Feira de Santana/ Empresa Gráfica da Bahia e Edufa.

Barros, Anabela Leal de. 2000. O particípio passado. Aspectos da sua morfologia do século xiii ao século xvi. (Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Inédita).

Buzaglo Paiva Raposo, Eduardo, Maria Fernanda Bacelar do Nascimento, Maria Antónia Coelho da Mota, Luísa Segura & Amália Mendes (orgs.). 2013. Gramática do Português. I, p. 7-14 e 17-45. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Carvalho, Maria José. 2013. Contributo para o estudo da evolução das terminações nasais portuguesas (sécs. xiii-xvi). Em Emili Casanova Herrero e Cesáreo Calvo Rigual (Eds.), Actas del XXVI Congreso Internacional de Lingüística y de Filología Románicas, Valencia 2010, vol. I. 567-577. Belin/ Boston: Walter de Gruyter.

Carvalho, Maria José. 1999-2000. Cronologia(s) da substituição da terminação participial -udo por -ido, no português medieval (sécs. xiii-xvi). Revista Portuguesa de Filologia 23, p. 381-409.

Carvalho, Maria José. 2017. Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça. Edição, com introdução e notas de aparato crítico (= Verba, Anexo 74). 255 pp. Universidade de Santiago de Compostela: Servicio de Publicacións e Intercambio Científico. (Trata-se do corpus, com alterações pontuais, inserido na dissertação de doutoramento da Autora, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 2006). https://www.unebook.es/es/ebook/documentaco-medieval-do-mosteiro-de-santa-maria-de-alcobaca_E0002619902. (11/11/2018).

Carvalho, Maria José. 2006. Documentação medieval do mosteiro de Santa Maria de Alcobaça (sécs. xiii-xvi). Edição e estudo linguístico. (Dissertação de doutoramento em Linguística Portuguesa apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Parcialmente inédita).

Carvalho, Maria José. 1996. Do Português arcaico ao Português moderno. Contributos para uma nova proposta de periodização. (Dissertação de mestrado em Linguística Portuguesa, elaborada no âmbito do Programa Praxis XXI e apresentada à Faculdade de Letras de Coimbra. Inédita).

Carvalho, Maria José. 2000. O morfema -des na história da língua portuguesa: uma abordagem segundo a metodologia da Sociolinguística histórica. Em Annick Englebert, Michel Pierrard, Laurence Rosier & Dan Van Raemdonck (Eds.), Actes du XXIIème Congrès International de Linguistique et de Philologie romanes (Bruxelles, 23-29 juillet 1998). Vol- II. 65-74. Tübingen: Max Niemeyer Verlag.

Carvalho, Maria José. 2002. Periodização da língua portuguesa num contexto social: uma contribuição para a Sociolinguística histórica. Revista Galega de Filoloxía 3, p. 11-27 https://ruc.udc.es/dspace/bitstream/handle/2183/2593/RGF-3-1-def.pdf;jsessionid=EECBA6E2402559762C-
/>6FACB6CF9637DA?sequence=1). (11/11/2018).

Carvalho, Maria José. 2011. Revisitando o morfema -des: cenário para a sua evolução. Em Gonçalves, Filomena (Ed.), 500 anos de Língua Portuguesa no Brasil, I. 531-550. Lisboa: Cosmos.

Carvalho, Maria José. 2015. Sobre as origens dos valores de /e/ átono em posição medial no Português europeu e brasileiro. Revista Galega de Filoloxía 16, p. 43-73. DOI: 10.17979/rgf.2015.16.0.1378.
(22/11/2018).

Carvalho, Maria José. 2003. The transition from early to modern Portuguese. An approach from historical sociolinguistics. E Barry J. Blake & Kate Burridge (Ed.), Historical Linguistics 2001. Selected Papers from the 15th International Conference on Historical Linguistics, Melbourne, 13-17 August 2001. 59-69. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins Publishing Company. (
https://doi.org/10.1075/cilt.237.06car). (11/11/2018).

Coelho, Eduardo. 1859. A manhã na minha Terra [dirigido ao seu amigo Vieira da Silva]. Prelúdios-Litterários: Jornal académico (Lisboa, Janeiro de 1859). Coimbra: Imprensa da Universidade, 87. UCDigitalis: http://hdl.handle.net/10316.2/35629. (26/10/2018).

Colaço, Maria João & Cardeira, Esperança. 2013. Menço ou minto? Regularização de paradigmas verbais. Diacrítica 27/1, p. 69-94.http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672013000100003&lng=pt&nrm=iso. (16/07/2018).

Ferreiro Fernández, Manuel. 19994. Gramática histórica galega. 1. Fonética e Morfosintaxe. Santiago de Compostela: Laiovento.

Figueiredo, Cândido de. 1906. Falar e escrever. Novos estudos práticos da língua portuguesa ou Consultório popular de enfermidades da linguagem, 2.ª série. Lisboa: Livraria Clássica Editora. https://archive.org/details/falareescrevevrno00figugoog?q=trouvestes. Digitalizado pela Biblioteca da Universidade de Harvard. (3/07/2018).

Gonçalves, Mª Fernanda Moreira. 2001. Morfologia verbal do galego-português: a acção niveladora da analogia. En Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. 241-253. Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística. https://apl.pt/wp-content/uploads/2017/12/2000-20.
/>pdf. (11/11/2018).

Huber, Joseph. 1986. Gramática do Português antigo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. (trad. do original alemão: Altportugiesisches Elementarbuch)