Contido principal do artigo

Inês Costa
Universidade de Aveiro
Portugal
https://orcid.org/0000-0003-0398-1791
Biografía
No 6 (2019), Notas
DOI https://doi.org/10.15304/elos.6.4377
Recibido: 25-10-2017 Aceptado: 10-12-2019 Publicado: 20-12-2019
Copyright Como citar

Resumo

Em resposta a uma solicitação editorial, Ondjaki reescreveu o conto angolano de tradição oral Estória do Coelho e Leão, recolhido por José Samuila Cacueji e publicado em Viximo: Contos de Oratura Luvale (1987), que foi enriquecido com ilustrações de Rachel Caiano. Neste trabalho, comparamos as duas versões do conto, analisando aspetos textuais e paratextuais — com especial ênfase na ilustração —, procurando compreender de que modo a reescritura, destinada a um público infantil, se aproxima ou afasta do texto-matriz e de técnicas tradicionais de (re)escrita de contos populares; mas também se, e de que forma, existiu espaço para marcas estilísticas autorais e para a criação individual. Refletimos, por fim, acerca da simbologia do Leão e do Coelho nos contos de tradição oral africanos, com especial destaque nos angolanos.

Detalles do artigo

Citas

Bibliografia ativa

Cacueji, J. S. (1987). Viximo. Contos de Oratura Luvale (Edição Bilingue). Lisboa: União dos Escritores Angolanos.

Ondjaki. (2008). O Leão e o Coelho Saltitão. Lisboa: Editorial Caminho (ilustrações de Rachel Caiano).

Bibliografia passiva


Andrade, J. G. (2014). O Lugar de Luandino Vieira na Tradição do Conto Angolano. Dissertação de doutoramento em Teoria da Literatura. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Barbosa, A. C. (O.S.B.). (1990). Angola. Imagens e Mensagens. Santo Tirso: Edições Ora & Labora.

Chatelain, H. (1964). Contos Populares de Angola. Lisboa: Agência-Geral do Ultramar.

Chevalier, J. and Gheerbrant, A. (1994). Dicionário dos Símbolos. Lisboa: Teorema.

David, R. (1979). Contos Tradicionais da Nossa Terra. Luanda: União dos Escritores Angolanos.

David, R. (1982). Contos Tradicionais da Nossa Terra (II). Luanda: União dos Escritores Angolanos.

Debus, E. S. D. (2013). “A Literatura Angolana para Infância”. Educação & Realidade, v. 38, n.º 4, outubro/dezembro, 1129–1145. Consultado a 10 de outubro de 2017, http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/38160/27752.

Ervedosa, C. (1985). Roteiro da Literatura Angolana. (3rd ed.). Luanda: União dos Escritores Angolanos.

Gomes, J. A., Ramos, A. M. and Silva, S. R. (org.). (2009). A Memória nos Livros. História e Histórias. Porto: Deriva Editores.

Kakueji, J. S. (1989). Viximo II. Contos de Oratura Luvale (Em Luvale e Português). Lisboa: União dos Escritores Angolanos.

Mota, C. (2016). Viagem Exploratória pela Atual Literatura Infantil. Porto: Tropelias & Companhia.

Ondjaki. (2004). Quantas Madrugadas Tem a Noite. Alfragide: Editorial Caminho.

Ondjaki. (2005). E se Amanhã o Medo. Alfragide: Editorial Caminho.

Ondjaki. (2009). O Assobiador. (3rd ed.). Alfragide: Editorial Caminho.

Ondjaki. (2014). Os Vivos, o Morto e o Peixe Frito. Alfragide: Editorial Caminho.

Pires, M. N. (2001). Da Literatura Tradicional à Literatura Contemporânea: Pontes e Fronteiras. Dissertação de doutoramento em Letras. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Ramos, A. M. (2007). Livros de Palmo e Meio. Reflexões sobre Literatura para a Infância. Lisboa: Editorial Caminho.

Ramos, A. M. (2010). Literatura para a Infância e Ilustração. Leituras em Diálogo. Porto: Tropelias & Companhia.

Ramos, A. M. (2012). Tendências Contemporâneas da Literatura Portuguesa para a Infância e Juventude. Porto: Tropelias & Companhia.

Ribas, Ó. (2011a). Missosso I. Luanda: Chá de Caxinde.

Ribas, Ó. (2011b). Missosso II. Luanda: Chá de Caxinde.

Ribas, Ó. (2011c). Missosso III. Luanda: Chá de Caxinde.

Roig Rechou, B.-A., and Ferreira Boo, C. (2010). “O Conto de Transmisión Oral na LIX Galega”. En Roig Rechou, B.-A., Soto López, I. and Neira Rodríguez, M. (org.). Reescrituras do Conto Popular (2000–2009). Vigo: Edicións Xerais de Galicia.

Roig Rechou, B.-A., Ramos, A. M. and Gomes, J. A. (org.). (2008). Teatro para a Infância e Juventude. Aproximações à Literatura Dramática. Porto: Deriva Editores.

Santos, J. G. (2008a). “A Guerra dos Fazedores de Chuva Com os Caçadores de Nuvens: uma leitura intersemiótica da guerra para crianças de J. Luandino Vieira”. XI Congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, Interações, Convergências, 13 a 17 de julho de 2008. São Paulo. Consultado a 10 de outubro de 2017, http://www.abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/022/JOELMA_SANTOS.pdf

Santos, J. G. (2008b). “A Literatura se Alimenta de Literatura. Ninguém Pode Chegar a Escritor se Não Foi um Grande Leitor”. Investigações: linguística e teoria literária, v. 21, n.º I, janeiro, 279–290. Consultado a 10 de outubro de 2017, https://periodicos.ufpe.br/revistas/INV/article/view/1388/1058.

Silva, S. R. D. R. (2013). Presença e Significado de Manuel António Pina na Literatura Portuguesa para a Infância e a Juventude. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Sipe, L. R. (1998). “Learning the language of picturebooks”. Journal of Children's Literature, n.º 24, 66–75.

Traça, M. E. (1998). O Fio da Memória. Do Conto Popular ao Conto para Crianças. (2nd ed.). Porto: Porto Editora.