Contido principal do artigo

Ana Maria Martins
Universidade de Lisboa
Portugal
https://orcid.org/0000-0003-0589-5109
Biografía
Vol 13 (2021): , Pescuda, páxinas 67-105
DOI https://doi.org/10.15304/elg.13.6997
Recibido: 05-07-2020 Aceptado: 08-02-2021 Publicado: 20-04-2021
Copyright Como citar

Resumo

Este artigo estuda a colocação dos pronomes clíticos nos dialetos portugueses dos Açores e Madeira. A base empírica é o Corpus dialetal para o estudo da sintaxe (CORDIAL-SIN). Uma primeira abordagem panorâmica mostra que estes dialetos apresentam tipicamente o padrão geral de colocação dos clíticos do português europeu, mas admitem igualmente colocações atípicas, com expressão quantitativa significativa. A investigação foca-se depois em dois tipos de colocação atípica: a ênclise ao verbo finito em configurações sintáticas tipicamente indutoras de colocação proclítica; e a próclise a formas não finitas do verbo em configurações sintáticas onde, tipicamente, se esperaría a ênclise. Os dois tipos de colocação atípica são analisados na sua expressão quantitativa, distribuição geográfica e distribuição por estruturas sintáticas, mostrando-se a ênclise atípica especialmente produtiva com certos advérbios (até, também) e nas orações relativas (resuntivas e cortadoras). Numa perspetiva geolingüística, as nove ilhas dos Açores apresentam uma relativa homogeneidade, não sendo possível identificar, de forma consistente, subáreas dialetais. Já no arquipélago da Madeira observa-se uma clara separação entre a ilha da Madeira (representada no CORDIAL-SIN por Câmara de Lobos e Caniçal) e a ilha de Porto Santo, em particular a Camacha. A Madeira destaca-se pela forte incidência da ênclise atípica nas frases finitas e Porto Santo pela incidência da próclise atípica nas frases com infinitivo e gerúndio. Globlamente, a ênclise atípica está mais representada no corpus em número de ocorrências, mas a próclise atípica é percentualmente mais expressiva e tem paralelo em factos conhecidos das variedades não europeias do português.

Citado por

Detalles do artigo

Citas

Álvarez, Rosario & Xosé Xove. 2002. Gramática da Lingua Galega. Vigo: Galaxia.

Bazenga, Aline. 2019. Aspetos da Sintaxe do português popular falado no Funchal. Arquivo Histórico da Madeira, Nova Série, n.º 1, 727-758.

Bonet, Eulàlia. 2002. Cliticització. Em Joan Solà, Maria Rosa Lloret, Joan Mascarò & Manuel Pérez Saldanya (eds.), Gramàtica del català contemporani. Volum 1: Introducció, Fonética i fonologia, Morfologia. 933-989. Barcelona: Empúries.

Brissos, Fernando, Raïssa Gillier & João Saramago. 2016. O problema da subdivisão da variedade dialetal madeirense: estudo dialetométrico da variação lexical, en Textos Selecionados. XXXI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. 31-47. Porto: FLUP / APL. [= Revista da Associação Portuguesa de Linguístca 2, URL: http://ojs.letras.up.pt/index.php/APL/issue/view/116]

Cardoso, Adriana & Nélia Alexandre. 2013. Relativas clivadas em variedades não standard do português europeu. Em Fátima Silva, Isabel Falé & Isabel Pereira (eds.), Textos Selecionados do XVIII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. 205-227. Porto: APL.

Carrilho, Ernestina. 2005. Expletive Ele in European Portuguese Dialects. Tese de doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. http://clul.ulisboa.pt/sites/default/files/tese/carrilho_2005.pdf

Duarte, Inês. 2003. Padrões de colocação dos pronomes clíticos. Em Maria Helena Mira Mateus, Ana Maria Brito, Inês Duarte & Isabel Hub Faria (eds.), Gramática da Língua Portuguesa. 847-867. Lisboa: Caminho.

Fernández-Rubiera, Francisco José. 2009a. Clitics at the Edge: Clitic Placement in Western Iberian Languages. Washington, DC: Georgetown University. Tese de doutoramento inédita.

Fernández-Rubiera, Francisco José. 2009b. Another look at the [+finite] subordinate context in Western Iberian Romance. Revista de Filoloxía Asturiana 6/7/8, 289-309.

Fernández-Rubiera, Francisco José. 2010. Forceº, Finitenessº and the placement of clitics in Western Iberian Romance languages. Estudos de Lingüística Galega 2, 75-95.

Gonçalves, Anabela. 1999. Predicados Complexos Verbais em Contextos de Infinitivo não Preposicionado do Português Europeu. Tese de doutoramento inédita. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

González i Planas, Francesc. 2007. Sintaxis de los clíticos pronominales en asturleonés. Ianua. Revista Philologica Romanica 7, 15-35.

Gutzmann, Daniel, Katharina Hartmann & Lisa Matthewson. 2020. Verum focus is verum, not focus: Cross-linguistic evidence, Glossa: a journal of general linguistics 5(1), 51. https://doi.org/10.5334/gjgl.347

Harris, James & Morris Halle. 2005. Unexpected Plural Inflections in Spanish: Reduplication and Metathesis, Linguistic Inquiry 36.2, 195-222. https://doi.org/10.1162/0024389053710710

Höhle, Tilman N. 1992. Über Verum-Fokus im Deutschen. Em Joachim Jacobs (ed.), Informationsstruktur und Grammatik. 112-141. Opladen: Westdeutscher Verlag. https://doi.org/10.1007/9783-663-12176-3_5

Lohnstein, Horst. 2016. Verum focus. Em Caroline Féry & Shinishiro Ishihara (eds.), The Oxford handbook of information structure. Oxford Handbooks Online. Oxford: Oxford University Press. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199642670.013.33

Magro, Catarina. 2007. Clíticos: variações sobre o tema. Tese de doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. https://repositorio.ul.pt/handle/10451/6083

Magro, Catarina. 2010. Interpolação & Cia. nos dialectos do Português Europeu, Estudos de Lingüística Galega 2, 97-119. https://doi.org/10.3309/1989-578X-10-5 / https://revistas.usc.gal/index.php/elg/article/view/1510

Martins, Ana Maria. 1994. Clíticos na História do Português. Tese de doutoramento. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Martins, Ana Maria. 2009. Subject doubling in European Portuguese dialects: the role of impersonal se. Em Enoch O. Aboh, Elisabeth van der Linden, Josep Quer & Petra Sleeman (eds.), Romance Languages and Linguistic Theory. Selected papers from ‘Going Romance’ Amsterdam 2007. 179-200. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.

Martins, Ana Maria. 2013. Posição dos pronomes pessoais clíticos”. Em Eduardo B. Paiva Raposo, Maria Fernanda Bacelar, Maria Antónia Mota, Luísa Segura & Amália Mendes (eds.), Gramática do Português. 2231-2302. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Martins, Ana Maria. 2016. A colocação dos pronomes clíticos em sincronia e diacronia. Em Ana Maria Martins & Ernestina Carrilho (eds.), Manual de Linguística Portuguesa. 401-430. Berlin/ Boston: De Gruyter.

Mutali, Henrique Simão. 2019. A colocação dos pronomes clíticos no português angolano escrito. Tese de mestrado. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/40812/1/ulfl274272_tm.pdf

Nunes, Jairo. 1993. Direção de cliticização, objeto nulo e pronome tônico na posição de objeto no português brasileiro. Em Ian Roberts & Mary A. Kato (eds.), Português Brasileiro: Uma Viagem Diacrônica. 207-222. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Nunes, Jairo. 2004. Linearization of Chains and Sideward Movement. Cambridge, MA: MIT Press.

Nunes, Jairo. 2019. Clíticos acusativos de terceira pessoa em português brasileiro como concordância de objeto. Em Charlotte Galves, Mary A. Kato & Ian Roberts (eds.), Português Brasileiro: Uma Segunda Viagem Diacrônica. 151-172. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Paradis, Anna. 2019. L’ascens dels clítics. Tese de doutoramento. Universitat Autònoma de Barcelona.

Schei, Ane. 2003. Algumas observações sobre a colocação dos pronomes clíticos no português brasileiro falado, Studia Neophilologica 75.1, 58-70. https://doi.org/10.1080/00393270310006411