Contido principal do artigo

Juan M. Carrasco González
Unversidad de Extremadura
España
http://orcid.org/0000-0002-2097-4553
Biografía
Vol 12 (2020), Pescuda, páxinas 67-89
Recibido: 23-04-2019 Aceptado: 01-02-2020 Publicado: 30-07-2020
Copyright Como citar

Resumo

O propósito deste trabalho é analisar a evolução dos tempos compostos em português (com os auxiliares TER, HAVER e SER), entre os séculos XVII e XVIII, como continuação de estudos prévios sobre o século XVI e primeira metade do século XVII. Para isso, será analisado um corpus constituído pela obra do Pe. António Vieira em comparação com vários textos do século XVIII. Para a formação dos tempos compostos no período clássico, foram considerados os contributos de AUTOR, Mattos e Silva e, muito especialmente, Harre, o único até ao momento dedicado a este período. O facto de não utilizar grandes corpora linguísticos permite uma análise mais pormenorizada de cada caso, bem como estabelecer conclusões a propósito de diferentes registos de língua e usos estilísticos. Por outro lado, o corpus utilizado é, especialmente no caso do padre António Vieira, muito extenso e suficientemente significativo, não só para documentar cada construção de tempo composto, mas também para avaliar a sua evolução no período selecionado.

Detalles do artigo

Citas

Anónimo. 1788. Comedia Intitulada O Creado de si mesmo. (Manuscrito da Biblioteca Nacional de Portugal). http://purl.pt/24160 (08/02/2019).

Anónimo. 1790. Os peraltas mascarados em Almada. Lisboa: Off. Antonio Gomes. http://purl.pt/14901 (08/02/2019).

Becker, Martin. 2016. O pretérito perfeito composto em diacronia – uma evolução perfeita? Estudos de lingüística galega 8, 25-43. http://dx.doi.org/10.15304/elg.8.3057 (22/09/2019).

Brocardo, Maria Teresa. 2014. Tópicos de história da língua portuguesa. Lisboa: Edições Colibri.

Cardeira, Esperança. 2012. Elementos para a periodização do português. Em Roberval Teixeira e Silva / Qiarong Yan / Maria Antónia Espadinha & Ana Varani Leal (eds.), III SIMELP: A formação de novas gerações de falantes de português no mundo. Macau: Universidade de Macau. http://simelp.fflch.usp.br/sites/simelp.fflch.usp.br/files/inline-files/III-SIMELP-final-179-212.pdf (21/04/2019).

Cardeira, Esperança. 2013. Do português médio ao clássico: o Cancioneiro Geral de Garcia de Resende. Em Emili Casanova Herrero & Cesareo Calvo Rigual (eds.), Actas del XXVI Congreso internacional de lingüística y de filología románicas (Valencia, 2010), vol. I. 543-554. Berlin / Boston: De Gruyter Mouton. https://doi.org/10.1515/9783110299892.543.

Carrasco González, Juan M. 2012. Uso de haver en la Menina e Moça: Bernardim Ribeiro en la frontera del portugués arcaico. Em Ana María Cestero Mancera / Isabel Molina Martos & Florentino Paredes García (eds.). La lengua, lugar de encuentro: actas del XVI Congreso Internacional de la Alfal. 2515-2524. Alcalá de Henares: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Alcalá. http://www.mundoalfal.org/alfal2011/index.html#/pdf/284alfal.pdf (21/04/2019).

Carrasco González, Juan M. 2013. Algunos indicadores del portugués clásico en la obra de Bernardim Ribeiro. Estudis Romànics 35, 173-188.

Carrasco González, Juan M. 2014. Evolución de los tiempos compuestos en portugués durante los siglos XVI y XVII. Archivum 64, 77-100. https://doi.org/10.17811/arc.64.2014.77-100.

Carrasco González, Juan M. 2015. Influencia del español en la prosa barroca portuguesa: los tiempos compuestos. RILCE. Revista de Filología Hispánica 31.1, 79-96.

Carrasco González, Juan M. 2019. Análise de macrocorpora e microcorpora para estudos de linguística histórica. Em Ernestina Carrilho / Ana Maria Martins / Sandra Pereira & João Paulo Silvestre (orgs.), Estudos linguísticos e filológicos oferecidos a Ivo Castro. 415-429. Lisboa: Centro de Linguística da Universidade de Lisboa. http://hdl.handle.net/10451/39619.

Castro, Ivo. 2006. Introdução à história do português. Lisboa: Edições Colibri. (Segunda edição revista e muito ampliada).

Givón, Talmy. 1975. Serial verbs and syntactic change: Niger-Congo. Em Charles N. Li (org.), Word order and word change. 47-112. Austin: University of Texas Press.

Gonçalves, Sebastião Carlos Leite / Maria Célia Lima-Hernandes / Vânia Cristina Casseb-Galvão & Cristina dos Santos Carvalho. 2007. Tratado geral sobre gramaticalização. Em Sebastião Carlos Leite Gonçalves / Maria Célia Lima-Hernandes & Vânia Cristina Casseb-Galvão (org.), Introdução à gramaticalização. Princípios teóricos & aplicação. 15-66. São Paulo: Parábola Editorial.

Gross, Maurice. 1981. Les bases empiriques de la notion de prédicat sémantique. Languages 63, 7-52. https://doi.org/10.3406/lgge.1981.1875.

Harre, Catherine E. 1991. Tener + Past Participle. A case study in linguistic description. London / New York: Routledge.

Hopper, Paul J. 1991. On some principles of grammaticalization. Em Elizabeth C. Traugott / Bernd Heine (orgs.), Approaches to grammaticalization. 59-90. Amsterdam: John Benjamins.

Houaiss, Antônio / Mauro de Salles Villar & Francisco Manoel de Mello Franco (dir.). 2004. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva. (1ª reimpressão com alterações).

Lehmann, Christian. 1985. Grammaticalization: Synchronic variation and diachronic change. Lingua and stile 20.3, 303-318.

Levin, Beth. 1993. English verb classes and alternations: A preliminary investigation. Chicago / London: The University of Chicago Press.

Mateus, Maria Helena Mira / Ana Maria Brito / Inês Silva Duarte & Isabel Hub Faria. 1983. Gramática da língua portuguesa. Elementos para a descrição da estrutura, funcionamento e uso do português actual. Coimbra: Livraria Almedina.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 1981. Um aspecto do auxiliar no português arcaico. Tulane studies in romance linguistics and literature 10, 93-109.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 1989. Estruturas trecentistas: elementos para uma gramática do português arcaico. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 1993. O português arcaico: morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 1995. Variação e mudança no português arcaico: ter ou haver em estruturas de posse. Em Cilene da Cunha Pereira & Paulo Roberto Dias Pereira (coords.), Miscelânea de estudos lingüísticos, filológicos e literários in memoriam Celso Cunha. 299-311. São Paulo: Nova Fronteira.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 2002a. Vitórias de ter sobre haver nos meados do século XVI: usos e teorias em João de Barros. Em Rosa Virgínia Mattos e Silva & Américo Venâncio Lopes Machado Filho (eds.), O português quinhentista: estudos linguísticos. 119-142. Salvador: Universidade Federal da Bahia / Universidade Estadual de Feira de Santana.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 2002b. A variação ser/estar e haver/ter nas Cartas de D. João III entre 1540 e 1553: comparação com os usos coetâneos de João de Barros. Em Rosa Virgínia Mattos e Silva & Américo Venâncio Lopes Machado Filho (eds.), O português quinhentista: estudos linguísticos. 143-160. Salvador: Universidade Federal da Bahia / Universidade Estadual de Feira de Santana.

Mattos e Silva, Rosa Virgínia. 2006. O português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto.

Neves, Maria Helena de Moura. 2000. Gramática de Usos do Português. São Paulo: Editora UNESP.

Oliveira, Fátima. 2013. Tempo verbal. Em Eduardo Paiva Raposo / Vicente Graça & Rita Veloso, Gramática do Português, vol. I, 509-553. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Oliveira, Francisco Xavier de. 1798. Elogio do Condestable D. Nuno Alvares Pereira / Francisco Xavier de Oliveira. Lisboa: Offi. De João Antonio da Silva. http://purl.pt/14410 (08/02/2019).

Osório, Paulo. 2008. Linguística histórica e história da língua: aportações teóricas e metodológicas. Em I Simpósio mundial de estudos da língua portuguesa, São Paulo, 1 a 5 de setembro de 2008. São Paulo: Universidade de São Paulo. http://simelp.fflch.usp.br/sites/simelp.fflch.usp.br/files/inline-files/S401.pdf (20/04/2019).

Pacheco, Caetano de Gouvêa. 1730. Vida e acçoens do famoso e delicissimo Sevagym, da India Oriental / escrita por Cosme da Guarda, natural de Murmugão... Lisboa Occidental: na Officina da Musica: vendese na mesma Offic. http://purl.pt/13851 (07/02/2019).

Pottier, Bernard. 1978. Les voix du français. Semantique et syntaxe. Cahiers de lexicologie, 33.2, 3-39.

Saraiva, António José / Lopes, Óscar. 1982. História da literatura portuguesa. Porto: Porto Editora. (12.ª edição, corrigida e actualizada).

Silva, Inocêncio Francisco da. 1987. Diccionario bibliographico portuguez. Estudos de Innocencio Francisco da Silva applicaveis a Portugal e ao Brasil. Tomo Segundo. Lisboa: Na Imprensa Nacional, M DCCC LIX. (Reeditada em reprodução fac-similada no mês de maio de 1987, [Lisboa]: Imprensa Nacional – Casa da Moeda).

Silva, Inocêncio Francisco da. 1996. Diccionario bibliographico portuguez. Estudos de Innocencio Francisco da Silva applicaveis a Portugal e ao Brasil. Tomo Terceiro. Lisboa, Na Imprensa Nacional, M DCCC LIX. (Reprodução fac-similada, [Lisboa]: Imprensa Nacional – Casa da Moeda).

Vieira, António. 1679. Sermoens do P. Antonio Vieira...: primeyra parte... Lisboa: na officina de Joam da Costa. http://purl.pt/297 (26/02/2019).

Vieira, António. 1682. Sermoens do P. Antonio Vieira...: segunda parte... Lisboa: na officina de Miguel Deslandes. E à sua custa, & de Antonio Leyte Pereyra mercador de. http://purl.pt/292 (26/02/2019).

Vieira, António. 1718. Historia do futuro: Livro anteprymeyro prologomeno a toda a historia do futuro, em que se declara o fim, & se provaõ os fundamentod della. Materia, verdade, & utilidades da historia do futuro. Na officina de Antonio Pedrozo Galram. (Foi utilizado o exemplar da Bodleian Libraries, University of Oxford, digitalizado pela Google Books Library Project).

Vieira, António. 1854. Cartas do Padre Antonio Vieira. Tomo I. Lisboa: Editores, J. M. C. Seabra & T. Q. Antunes. (Faz parte da edição das obras completas do autor).

Vieira, António. 2008. Sermões. RocketEditionTM. (Edição em PDF de eBooksBrasil. Fonte digital: Ministério da Cultura, Fundação Biblioteca Nacional, Departamento Nacional do Livro). http://www.iphi.org.br/sites/filosofia_brasil/Padre_Ant%C3%B4nio_Vieira_-_Serm%C3%B5es.pdf (06/02/2019).