Contido principal do artigo

Maria Eugênia Lammoglia Duarte
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Brasil
https://orcid.org/0000-0001-8329-1226
Biografía
Humberto Soares da Silva
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Brasil
Biografía
Vol 11 (2019), Pescuda, páxinas 137-165
DOI https://doi.org/10.15304/elg.11.5123
Recibido: 12-05-2018 Aceptado: 05-03-2019 Publicado: 30-07-2019
Copyright Como citar

Resumo

Este artigo apresenta evidências empíricas de que a mudança na remarcação do valor do Parâmetro do Sujeito Nulo no português brasileiro desencadeia o aparecimento de outras estruturas elencadas entre os feixes de propriedades relacionadas às línguas [+Sujeito Nulo] do grupo românico. A pesquisa se baseia em evidências diacrônicas e sincrônicas, que provêm de estudos que analisaram os diferentes fenômenos, todos associados a propriedades do Parâmetro do Sujeito Nulo, a partir das falas de roteiros de peças de teatro escritas no Rio de Janeiro ao longo dos séculos 19 e 20 e de entrevistas sociolinguísticas com falantes cariocas. Ao comparar, sistematizar e analisar os resultados desses estudos em conjunto, mostramos que, à medida que os sujeitos pronominais, tanto de referência definida quanto indeterminada, se tornam pronomes foneticamente realizados, a ordem verbo-sujeito é afetada, tanto em estruturas com verbos inacusativos como em interrogativas Q. A realização fonética do sujeito expletivo, que seria um efeito colateral esperado para essa mudança, não é atestada. No entanto, outras estratégias são implementadas no sistema, entre as quais o alçamento de constituintes para evitar um expletivo nulo, o que é compatível com um sistema com proeminência de tópico, que caracteriza o português brasileiro.

Detalles do artigo

Citas

Referências do córpus diacrônico

(a) Período “1845”

Macedo, Joaquim M. de. 1860. Luxo e vaidade. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Martins Pena, Luiz C. 1833. O juiz de paz na roça. En As melhores comédias de Martins Pena. 9-28. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

Martins Pena, Luiz C. 1833-1837. Um sertanejo na corte. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Martins Pena, Luiz C. 1844. O judas em sábado de Aleluia. En As melhores comédias de Martins Pena. 151-176. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

Martins Pena, Luiz C. 1844. Os irmãos das almas. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Martins Pena, Luiz C. 1845. O cigano. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Martins Pena, Luiz C. 1845. O noviço. En As melhores comédias de Martins Pena. 73-118. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

Martins Pena, Luiz C. 1845. Os dois ou o inglês maquinista. En As melhores comédias de Martins Pena. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

Martins Pena, Luiz C. 1845. Quem casa quer casa. En As melhores comédias de Martins Pena. 177-196. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.


(b) Período “1882”

França Júnior, Joaquim J. 1862. Tipos da atualidade. En Edwaldo Cafezeiro (ed.), Teatro de França Júnior. Tomo II, 19-59. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro / Fundação da Arte, 1980.

França Júnior, Joaquim J. 1870. Defeito de família. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

França Júnior, Joaquim J.1870. Direito por linhas tortas. En Edwaldo Cafezeiro (ed.), Teatro de França Júnior. Tomo II, 61-121. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro/Fundação da Arte, 1980.

França Júnior, Joaquim J. 1882. Como se fazia um deputado. En Edwaldo Cafezeiro (ed.), Teatro de França Júnior. Tomo II, 123-168. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro/Fundação da Arte, 1980.

França Júnior, Joaquim J. 1883. Caiu o ministério en Edwaldo Cafezeiro (ed.), Teatro de França Júnior. Tomo II, 169-221. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro/Fundação da Arte, 1980.

França Júnior, Joaquim J. 1883. As doutoras. En Edwaldo Cafezeiro (ed.), Teatro de França Júnior. Tomo II, 223-191. Rio de Janeiro: Serviço Nacional de Teatro/Fundação da Arte, 1980.


(c) Período “1918”

Gonzaga, Armando. 1922. A flor dos maridos. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Tojeiro, Gastão. 1918. O simpático Jeremias. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Tojeiro, Gastão. 1919. As “fans” de Roberto Taylor. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Tojeiro, Gastão. 1920. A inquilina de Botafogo. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Tojeiro, Gastão. 1920. Onde canta o sabiá. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.


(d) Período “1937”

Camargo, Joracy. 1937. Maria Cachucha. Biblioteca da Uni-Rio.

Cunha, Humberto. 1938. A vida tem três andares. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Gonzaga, Armando. 1933. A patroa. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Gonzaga, Armando. 1933. O troféu. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Gonzaga, Armando. 1937. O hóspede do quarto n.º 2. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.


(e) Período “1955”

Callado, Antônio. 1954. O colar de coral. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Callado, Antônio. 1954. Pedro Mico, Zumbi do Catacumba. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Fernandes, Millôr. 1955. Bonito como um deus. En Teatro de Millôr Fernandes. 173-204. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

Fernandes, Millôr. 1955. A gaivota. En Teatro de Millôr Fernandes. 205-221. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

Fernandes, Millôr. 1955. Do tamanho de um defunto. En Teatro de Millôr Fernandes. 107-173. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

Fernandes, Millôr. 1955. Um elefante no caos. Porto Alegre: LPM, 1979.

Fernandes, Millôr. 1955. Uma mulher em três atos. En Teatro de Millôr Fernandes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1957.

Fernandes, Millôr. 1963. Um elefante no caos. Porto Alegre: LPM, 2001.

Muniz, Lauro César. 1963. O santo milagroso. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Sampaio, Silveira. 1949. A garçonnière do meu marido. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Sampaio, Silveira. 1951. Flagrantes do Rio. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.



(f) Período “1975”

Fernandes, Millôr. 1979. Os órfãos de Jânio. Porto Alegre: LPM, 1979.

Neves, João das. 1976. O último carro ou as 14 estações. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Novaes, Carlos Eduardo. 1975. A mulher integral. Biblioteca da Uni-Rio.

Novaes, Carlos Eduardo. 1986. Confidências de um espermatozoide careca. Rio de Janeiro: Nórdica.

Viana, Oduvaldo. 1974. Rasga coração. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.


(g) Período “1992”

Falabella, Miguel. 1988. Sereias da Zona Sul. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Falabella, Miguel. 1990. A partilha. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Falabella, Miguel. 1992. Como encher um biquíni selvagem. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.

Falabella, Miguel. 1992. No coração do Brasil. Sociedade Brasileira dos Autores Teatrais.



Referências bibliográficas

Barbosa, Pilar, M. Eugênia L. Duarte & Mary Aizawa Kato. 2005. Null subjects in European and Brazilian Portuguese. En Journal of Portuguese Linguistics 4, 11-52. Universidade de Lisboa.

Biberauer, Teresa. 2010. Semi pro-drop languages, expletives and expletive pro reconsidered. En Teresa Biberauer, Anders Holmberg, Ian Roberts & Michelle Sheehan (eds.), Parametric Variation: null subjects in Minimalist theory. 153-199. Cambridge: Cambridge University Press.

Chomsky, Noam. 1981. Lectures on Government and Binding, Dordrecht: Foris.

Cyrino, Sônia, M. Eugênia L. Duarte & Mary A. Kato. 2000. Visible subjects and invisible clitics in Brazilian Portuguese. E Mary Aizawa Kato & Esmeralda V. Negrão (eds.), Brazilian Portuguese and the Null Subject Parameter. 55-104. Frankfurt: Vervuert/Iberoamericana.

Duarte, M. Eugênia L. 1993. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. En Ian Roberts & Mary Aizawa Kato (eds.), Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. 7-128. Campinas: Editora da Unicamp.

Duarte, M. Eugênia L. 1995. A perda do princípio “Evite Pronome” no português brasileiro, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Brasil. (Tese de doutoramento inédita).

Duarte, M. Eugênia L. 2000. The loss of the Avoid Pronoun principle in Brazilian Portuguese. En Mary Aizawa Kato & Esmeralda V. Negrão (eds.), Brazilian Portuguese and the Null Subject Parameter. 17-36. Frankfurt am main/Madrid: Vervuert/Iberoamenricana.

Duarte, M. Eugênia L. 2007. Sobre outros frutos de um projeto herético: o sujeito expletivo e as construções de alçamento. En Ataliba de Castilho, Maria Aparecida Morais, Ruth Elisabeth Lopes & Sônia Maria Cyrino (eds.), Descrição, história e aquisição do português brasileiro, 35-48. Campinas: Ed. Pontes.

Duarte, M. Eugênia L. (ed.). 2012. O sujeito nulo em peças de teatro (1843-1992): estudos diacrônicos, São Paulo: Parábola Editorial.

Duarte, M. Eugênia L., Gabriela Mourão & Heitor Santos. 2012. Os sujeitos de terceira pessoa: revisitando Duarte 1993. En M. Eugênia L Duarte (ed.), O sujeito nulo em peças de teatro (1843-1992): estudos diacrônicos, São Paulo: Parábola Editorial.

Duarte, M. Eugênia L., Ulli. S. B. Fernandes. 2016. Construções de tópico-sujeito em contexto de variação e mudança. Web Revista SOCIODIALETO, v. 6, n. 18, 347-371.

Duarte, M. Eugênia L. 2019. O sujeito nulo referencial no português brasileiro e no português europeu. En Charlotte Galves, Mary A. Kato & Ian Roberts (eds.), Português Brasileiro: uma segunda viagem diacrônica. Campinas: Ed. da Unicamp. (No prelo).

Felix, Thainá Santanna. 2017. O preenchimento da posição de sujeito com verbos inacusativos: uma análise sincrônica, UFRJ. (Monografia de graduação inédita).

Fernandes, Ulli, M. Eugênia L. Duarte & Humberto Soares da Silva. 2015. Análise diacrônica da ordem V-DP/DP-V com verbos inacusativos no português brasileiro, Revista Philologos v. suplemento, UERJ, 418-428.

Ferreira, Marcelo B. 2000. Argumentos nulos em português brasileiro, UNICAMP, Campinas, Brasil. (Dissertação de mestrado inédita).

Henriques, Fernando P. 2012. Construções com verbos de alçamento que selecionam um complemento oracional. En Maria Eugênia L. Duarte (ed.), O sujeito nulo em peças de teatro (1843-1992): estudos diacrônicos. 101-120. São Paulo: Parábola Editorial.

Henriques, Fernando P. 2013. Construções com verbos de alçamento que selecionam um complemento oracional: uma análise comparativa do PB e PE, UFRJ. (Tese de doutoramento inédita).

Henriques, Fernando Pimentel & M. Eugênia L. Duarte. 2006. Uma análise comparativa das construções com verbos de alçamento na fala e na escrita padrão. En Anais do IX Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 189-197.

Holmberg, Anders. 2010. Null subject parameters. En Teresa Biberauer, Anders Holmberg, Ian Roberts & Michelle Sheehan (eds.), Parametric Variation: null subjects in Minimalist theory. 88-124. Cambridge: Cambridge University Press.

Holmberg, Anders, A. Nayudu, & Michelle Sheehan. 2009. Three partial null-subject languages: a comparison of Brazilian Portuguese, Finnish & Marathi. Studia Linguistica, 63: 59-97.

Holmberg, Anders & On-Usa Phimsawat. 2017. Truly Minimal Pronouns. Diadorin: Revista de Estudos Linguísticos e Literários, n. 19, v. Especial, 11-36.

Kato, Mary Aizawa & M. Eugênia L. Duarte. 2014. A variação entre construções finitas pessoais e impessoais no português brasileiro, Revista Sociodialeto 4 (12), 153-177.

Lopes, Célia. 2003. A inserção de ‘a gente’ no quadro pronominal do português. Vol. 18. Frankfurt/Madrid: Vervuert/Iberoamericana.

Li, Charles-N. & Sandra Thompson. 1976. Subject and topic: a new typology of language. En C-N Li (ed.) Subject and Topic, 457-489. New York: Academic Press.

Marins, Juliana. 2009. O Parâmetro do Sujeito Nulo: uma análise contrastiva entre o português e o italiano, Universidade Federal do Rio de Janeiro. (Dissertação de mestrado inédita).

Marins, Juliana, Soares da Silva & M. Eugênia L. Duarte. 2017. Revisiting Duarte (1995): For a gradiente analysis of indeterminate subjects. Diadorin: Revista de Estudos Linguísticos e Literários, n. 19, v. Especial, 140-172.

Martins, Ana Maria & Jairo Nunes. 2005. Raising issues in Brazilian and European Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, 4, 53-77.

Martins, A. Maria & Jairo Nunes. 2010. Apparent hyper-raising in Brazilian Portuguese: Agreement with topics across a finite CP. En E. Phoevos Panagiotidis (ed.), The Complementizer Phase: Subjects and Operators. 143-163. Oxford: Oxford University Press.

Paula, Mayara Nicolau. 2016. A ordem VS/SV e as interrogativas-Q no PE e no PB: uma análise diacrônica, Universidade Federal do Rio de Janeiro. (Tese de doutoramento inédita).

Pinheiro, Diogo & Juliana Marins. 2012. A trajetória das interrogativas Qu clivadas e não clivadas no português brasileiro. En Maria Eugênia L. (ed.), O sujeito nulo em peças de teatro (1843-1992): estudos diacrônicos. 161-180. São Paulo: Parábola Editorial.

Pontes, Eunice. 1987. O Tópico no Português do Brasil, Campinas: Ed. Pontes.

Roberts, Ian & Anders Holmberg. 2010. Introduction: parameters in Minimalist theory. En Teresa Biberauer, Anders Holmberg, Ian Roberts &Michelle Sheehan (eds.), Parametric Variation: null subjects in Minimalist theory. 1-57. Cambridge: Cambridge University Press.

Santos, Danielle. 2008. A ordem VS/SV com verbos inacusativos: um estudo diacrônico, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Dissertação de mestrado inédita.

Santos, Danielle & Humberto Soares da Silva. 2012. Ordem V-DP/DP-V com verbos inacusativos. En M. Eugênia L. Duarte (ed.), O sujeito nulo em peças de teatro (1843-1992): estudos diacrônicos. 121-142. São Paulo: Parábola Editorial.

Soares da Silva, Humberto. 2011. Evidências da mudança paramétrica em dados da Língua-E: o sujeito pronominal no português e no espanhol, Universidade Federal do Rio de Janeiro. (Tese de doutoramento
inédita).

Vargas, Amanda de S. 2012. A evolução na representação das estratégias pronominais de indeterminação en Maria Eugênia L. (ed.) O sujeito nulo em peças de teatro (1843-1992), 45-68.

Weinreich, Uriel, William Labov & Marvin Herzog. 1968. Empirical foundations for a theory of language change. En W. Lehman. & Y. Malkiel (eds.), Directions for historical linguistics. 97-195. Austin: University of Texas Press.

Zubizarreta, M. Luísa. 1998. Prosody, Focus, and Word Order. Cambridge, Mass: The MIT Press.