Contido principal do artigo

Sandra Pereira
Centro de Linguística da Universidade de Lisboa
Portugal
Vol 11 (2019), Pescuda, páxinas 1-27
DOI https://doi.org/10.15304/elg.11.5050
Recibido: 09-04-2018 Aceptado: 22-10-2018 Publicado: 30-07-2019
Copyright Como citar

Resumo

O fenómeno da subida do clítico é amplamente referido na literatura como uma propriedade dos complexos verbais seja na construção de reestruturação (Rizzi 1982) seja na construção Fazer-Inf (Kayne 1975). Através de um estudo quantitativo a partir de três textos literários, este trabalho tem como objetivo descrever a colocação dos pronomes clíticos em português antigo. São inspecionados dois contextos específicos: i) complexos verbais de reestruturação (para identificar quais os verbos que a permitiam em português antigo) e ii) orações de infinitivo simples e flexionado preposicionadas (para verificar se a preposição é determinante para a posição do clítico, partindo das assunções feitas por Martins 1994 de que, ao longo do século XIII e na primeira metade do XIV, havia instabilidade no padrão de colocação dos pronomes clíticos). No final, verificar-se-á que o padrão de colocação dos pronomes clíticos nas orações de infinitivo simples introduzidas por preposição contribui para a clarificação da fidelidade das cópias tardias de dois textos originais do século XIII.

Detalles do artigo

Citas

Andrade, Aroldo Leal de. 2009. A subida de clíticos em português clássico: descrição e implicações teóricas. Em Alexandra Fiéis e Maria Antónia Coutinho (eds.), Textos Seleccionados. XXIV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. 81-95. Lisboa: APL.

Andrade, Aroldo Leal de. 2010. A subida de clíticos em português: um estudo sobre a variedade europeia dos séculos XVI a XX. Universidade Estadual de Campinas. (Dissertação de doutoramento).

Barbosa, Pilar, Maria da Conceição de Paiva e Kellen Cozine Martins. 2017. Clitic climbing in the speech of Braga and Lisbon. Em Pilar Barbosa, Maria da Conceição de Paiva e Celeste Rodrigues (eds.), Studies on Variation in Portuguese. 200-217. Amsterdam - Philadelphia: John Benjamins. https://doi.org/10.1075/ihll.14.08bar

Castro, Ivo. 1984. Livro de José de Arimateia (Estudo e Edição do COD. ANTT 643). Universidade de Lisboa. (Dissertação de doutoramento).

Cintra, Luís Filipe Lindley. 1951-1961. Crónica Geral de Espanha de 1344 [ed. crítica]. Lisboa: Academia Portuguesa da História.

Fiéis, Alexandra e Ana Madeira. 2012. Predicados de controlo na diacronia do português. Em Alexandra Fiéis e Maria Antónia Coutinho (eds.), Textos Selecionados, XXVII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. 271-284. Lisboa: APL.

Gonçalves, Anabela, Ernestina Carrilho e Sandra Pereira. 2016. Predicados complexos numa perspetiva comparada. Em Ana Maria Martins e Ernestina Carrilho (eds.), Manual de Linguística Portuguesa. 523-557. Berlin - Boston: De Gruyter.

Gonçalves, Anabela, Inês Duarte e Matilde Miguel. 2007. On the status of prepositions in infinitival verb complements. Em Pablo Cano López, Isabel Fernández, Miguel González, Grabiela Prego e Montserrat Souto (eds), Actas del VI Congreso de Lingüística General. Vol. II.A, Las lenguas y su estrucutura. 1599-1608. Madrid: Arco-Libros.

Gonçalves, Anabela. 1999. Predicados Complexos Verbais em Contextos de Infinitivo não Preposicionado do Português Europeu. Universidade de Lisboa. (Dissertação de doutoramento).

Kayne, Richard. 1975. French Syntax: the transformational Cycle. Cambridge MA: MIT Press (Trad. francesa, Syntaxe du Français. Le Cycle transformationnel. Paris: Éditions du Seuil, 1977).

Magro, Catarina. 2005. Introdutores de orações infinitivas - o que diz a sintaxe dos clíticos. Em Inês Duarte e Inês Leiria (eds.), Actas do XX Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. 649-664. Lisboa: APL.

Magro, Catarina. 2007. Clíticos: variações sobre o tema. Universidade de Lisboa. (Dissertação de doutoramento).

Martins, Ana Maria. 1994. Clíticos na História do Português. Universidade de Lisboa. (Dissertação de doutoramento).

Martins, Ana Maria. 2013. Copiar o português duocentista: A Demanda e o José de Arimateia. Em Rosario Álvarez, Ana Maria Martins, Henrique Monteagudo e Maria Ana Ramos (eds.), Ao Sabor do Texto. Estudos dedicados a Ivo Castro. 383-402. Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela.

Martins, Ana Maria. 2016a. Introdução: O português numa perspetiva diacrónica e comparativa. Em Ana Maria Martins e Ernestina Carrilho (eds.), Manual de Linguística Portuguesa. 1-39. Berlin / Boston: De Gruyter. https://doi.org/10.1515/9783110368840-003

Martins, Ana Maria. 2016b. A colocação dos pronomes clíticos em sincronia e diacronia. Em Ana Maria Martins e Ernestina Carrilho (eds.), Manual de Linguística Portuguesa. 401-430. Berlin - Boston: De Gruyter. https://doi.org/10.1515/9783110368840-003

Mateus, Maria Helena Mira et al. 2003. Gramática da Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho.

Miranda, Sílvia. 2013. Reconstituição do ms. L da Crónica Geral de Espanha de 1344 (2a Parte). (Relatório Final de Estágio). http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/9403/1/ulfl144050_tm.pdf

Neto, Sílvio de A. Toledo. 2012-2015. Transcrição / Edição da Demanda do Santo Graal. (Manuscrito não publicado).

Pereira, Sandra. 2012. Protótipo de um glossário dos dialetos portugueses com informação sintática. Universidade de Lisboa. (Dissertação de doutoramento).

Rizzi, Luigi. 1982. Issues in Italian Syntax. Dordrecht: Foris.

Wanner, Dieter. 1987. The development of Romance Clitic Pronouns: from Latin to Old Romance. Berlin – New York: Mouton de Gruyter.